segunda-feira, 9 de maio de 2016

Resenha: A Maldição de Alaizabel Cray - Chris Wooding

     Minha história com esse livro é a mais improvável possível, um achado ao acaso. Tinha sei lá quantos anos, cerca de 16 (?), quando fui num evento extinto aqui na minha cidade chamado Fest Ler. Tratava-se de um festival anual de leitura, mas teve apenas 3 edições sem período exato. Uma pena ter se perdido em meio a tantos outros projetos culturais de Juiz de Fora. Mas foi na sua última edição que eu achei ''A Maldição de Alaizabel Cray''. Pesquisando pelas feirinhas com um amigo, esse livro me chamou atenção, inicialmente pela capa. Ao ler a sinopse, me senti provocado pela magia que a história prometia ter. Fato é: no decorrer dessa leitura você é surpreendido diversas vezes. A história toma uma proporção e tais são seus acontecimentos totalmente inesperados que você percebe que tudo é muito, mas muito maior do que aparenta ser.
     A história se passa na cidade de Londres 20 anos após um bombardeio, o Vernichtung. Ataque esse que deu origem a aparição das primeiras criaturas denominadas Necromantes. Os Necromantes são seres praticantes de Magia Negra. Cada um muito diferente do outro, alguns cujas formas e poderes desafiam quaisquer leis que conheçamos, como figuras de demônios mitológicos. Do outro lado temos Thaniel Fox, um jovem caçador de necromantes. Uma profissão altamente rentável, visto o grande risco de seu desempenho. Thaniel é filho de Jedriah Fox, a maior lenda em caça às monstruosas criaturas, e coloca tudo o que aprendeu em prática ao lado de Cathaline, uma habilidosa e experiente caçadora amiga de seu pai. As criaturas habitam o lado norte do Rio Tâmisa, onde ninguém em sã consciência se arrisca a ir. Também não é seguro andar desacompanhado depois de certa hora da noite, lobos são, também, comuns por ali. Há ainda um perigoso serial killer a solta que aterroriza as ruas da cidade, o Cara-Costurada. Ele ganhou esse nome devido a descrição de uma vítima que escapou. Numa de suas caças rotineiras, a primeira surpresa: Thaniel encontra a misteriosa Alaizabel Cray em fuga de algo. Ele a resgata e, depois de acordada, ela não consegue se lembrar de nada. A partir daí, começa a percepção de que algo realmente grande e tenebroso está acontecendo e eles precisam descobrir o que é.
     Os elementos desse livro são fodas demais! Ao mesmo tempo que ele trata de figuras que apareciam nas lendas e em contos de crianças para que elas obedeçam os pais, há algo muito maior que isso. Ouve-se falar de uma Irmandade. Uma espécie de seita composta pelo mais alto escalão da sociedade. Médicos, jornalistas, políticos, empresários. Os Ritos para segurança, guardiões, livros, magia negra, bruxas. Todos os elementos e personagens muito bem colocados e estruturados na história, de forma que não tem como ler e não imaginar um filme foda com repercussão digna de um Harry Potter da vida.
     A narrativa de Chris Wooding é envolvente! Não conheço ainda os outros trabalhos dele, mas esse livro me despertou muito interesse. Existem várias cenas que te deixam tenso. Dentre elas, destaco uma em especial. Para não dar spoiler, apenas direi que é a cena do túnel de trem. É de prender a respiração, literalmente. E o duelo na Catedral? De transpirar de nervoso! Duas, né?
     Mesclando suspense, ação, aventura e até mesmo romance, tem de tudo um pouco. Lendas, bruxaria, corrupção, monstros e um serial killer. A leitura flui fácil e envolvente, o mistério é grande. Já li esse livro cerca de quatro ou cinco vezes.

     PS: As letras em todas as páginas são azuis. Isso é muito legal.

4 comentários:

  1. Eu ainda não li, mas fiquei mega curiosa.Amo enredos que nos prendem,por isso sou xonada nos livros do Sheldon hahah.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prende demais, e a medida que as coisas vão sendo descobertas você vai ficando mais envolvido hahaha
      E eu ainda não li nenhum do Sheldon, hmmm. Vou pesquisar pra saber sobre o estilo dos livros dele.

      Excluir
  2. Nem conhecia esse livro ou tal sinopse mas se a tua resenha já me prendeu e quase me deixou sem fôlego (a imaginação vai longe...) imagina o livro!
    Adoro essas coisas que envolvem bruxaria e misticismo... Sei lá, às vezes acho que tem a ver com vidas passadas, só pode! hahahaha
    Adorei a resenha!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gosto muito dessas coisas com bruxaria e misticismo. Pode, sim, ser coisas de vidas passadas. Quem sabe? hahaha
      Fico feliz que tenha gostado da resenha, é um livro que vale muito a leitura!

      Beijos!

      Excluir